terça-feira, 22 de abril de 2014

Hanna Barbera, Lucas e Jacaré vão à celebração de São Jorge antes da festa de 3 maio com Chopin à còté


O amigo Lucas Dias nos mandou essa observação importante a respeito da ilustração da próxima passada edição da página do Jacaré:

"o desenho não é meu, é de Hanna & Barbera. Só fiz a montagem no estilo jacareano. Risos e Abraços."

Ora, diante da possibildade de ações judiciais, Jacaré sente-se na obrigação de registrar a correção e também negociou com Hanna Barbera que, caso nosso amigo seja preso, Zé Colméia levará mel à cadeia. o que parece provável como visto na foto dos preparativos:


Enquanto a cadeia não vem, o santo Guerreiro vem e dia 23 Jacaré sairá seco para um caldo de galo com cerveja preta...



... que em geral ocorre na Paulistinha com o Berro da Viúva

Nesse clima de festa geral, Jacaré junta-se também ao Dia da Terra no Planeta Somho

Aqui ninguém mais ficará
Depois do sol
No final será
O que não sei, mas será
Tudo demais
Nem o bem, nem o mal
Só o brilho calmo dessa luz...

O planeta calma será Terra
O planeta sonho será Terra
E lá no fim daquele mar
A minha estrela vai se apagar
Como brilhou
Fogo solto no caos...


Aqui também
É bom lugar de se viver
Bom lugar será
O que não sei, mas será
Algo a fazer
Bem melhor que a canção
Mais bonita que alguém lembrar...

A harmonia será Terra
A dissonância será bela
E lá no fim daquele azul
Os meus acordes vão terminar
Não haverá, outro som pelo ar...


O planeta sonho será Terra
A dissonância será bela
E lá no fim daquele mar
A minha estrêla vai se apagar
Como brilhou, fogo solto no caos..


Como a noite veio chegando, Jacaré mergulhou num Noturno com Chopin  recitando Cora coralina



Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

 
Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

Deppis desse descanso todo, mãos à obra para as festas e para o Jacaré Trabalhador de 3 de maio.

 não percam

terça-feira, 15 de abril de 2014

Levar o dia primeiro para o dia três de maio, assim falou Lucas Dias. E Jacaré mudou de idéia : agora qualquer amor vale à pena



Vejam todos o manual de como levar o dia do trabalhador até três de maio, com desenho, criação e arte do amigo jacarense Lucas Dias do largo do Machado mas não largo do copo



Jacaré, mudou de idéia, mandou o medo de amar simbora,  caiu na gandaia com Gal, Frejat e Fernando Pessoa pois agora Qualquer maneira de amor vale a pena quando não se tem a alma pequena

Ê vida, vida, que amor brincadeira, à vera
Eles se amaram de qualquer maneira, à vera

Qualquer maneira de amor vale à pena
Qualquer maneira de amor vale amar

Pena, que pena, que coisa bonita, diga
Qual a palavra que nunca foi dita, diga
Qualquer maneira de amor vale aquela / amar / à pena / valerá




Qualquer maneira de amor vale o canto
Qualquer maneira me vale cantar
Qualquer maneira de amor vale aquela
Qualquer maneira de amor valerá

A mudança de humor e alegria do Jacaré deu-se provocada pela jacarense Sheila ao enviar o cabograma abaixo :

-  "O meu papel, meu canudo de papel"...Já dei entrada na papelada e a rua está liberada para a festa de 3 de maio .

Vera Donskaya, “Chorny & Mikola”, 2008
                     
(Repare, caro leitor, que a legenda não conseguiu ficar centrada por estar grogue)

E Jacaré sorriu cantando sua autocrítica:


Mudei de ideia
vou rifar meu violão
Mudei de ideia
manias do coração
Mudei de ideia
cansei de você, vou me desatar
Mudei de ideia
por isso vim lhe avisar
Mudei de ideia
palavra, eu não volto atrás
Mudei de ideia
eu digo até nunca mais!


Bagunçou meus sentimentos
Eu fiquei na de horror
fez pouco dos meus carinhos
fez pouco da minha...
aaaaah

Ao terminar a página de hoje, a editoria do Jacaré sente-se na obrigação de esclarecer que a rede da arte principal foi feita com fios dos maiôs Catalina e garrafa da Mikola é de Jack Daniel´s russa

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Jacaré, com medo de amar, toma umas com Collin Davis e Beethoven ao som do negro gato de 3 de maio


Jacaré, no preparo da festa do trabalhador, em 3 de maio, deu de ter medo de amar e, diante dessa alucinação, sua parte mulher lhe ensinou que ter medo de amar não faz ninguém feliz.

A ânima do Jacaré então consultou Vinícius que assim falou :

- Ouça Nana Caymmi e Tom Jobim e compreenda que veneno e perfume são, de verdade, o ciúme

Vire essa folha do livro,
E, se esqueça de mim,
E já que o amor acabou,
E, se esqueça de mim,

beijo de Picasso

Você não compreendeu que o ciúme e um mal de raiz,
E que ter medo de amar,
Não faz ninguém feliz,
Agora vá sua vida como você quer,




A inteireza de Jung - Nancy Seifer

Porém não se surpreenda se uma outra mulher,
Nascer de mim,
Como num deserto uma flor,
E compreender que o ciúme e o perfume do amor.


Gato - Ademir Martins

Assim, assim arrepiado como um gato ficou Jacaré e, quando se está nessa situação, o melhor é emburacar como lhe cantou Luiz Melodia no Negro Gato - coisas de ciúmes !

Eu sou um negro gato de arrepiar
Essa minha história é mesmo de amargar
Só mesmo de um telhado, aos outros desacato
Eu sou um negro gato 

Minha triste história, vou lhes contar
E depois de ouvi-la, sei que vão chorar
Há tempos que eu não sei o que é um bom prato
Mas se não comer, acabo num buraco
...

E Collin Davis com Jacaré nos braços

À beira do desespero com sua solitude, Jacaré foi salvo pelo jacarense João Guereiro com essa boa notícia:

- E Colin Davis acabou de chegar aqui em Londrina avisando que estará no 3 de maio In Vila Concert já que esta é uma festa Clássica de tão renomado bloco.

 Ele falou que precisa só de um pauzinho para fazer os cabras estrebucharem com a tal  Symphony nº 7 etc. etc., desse Beehto Ven prá vila vem!

 Dizem as más linguas, que o velho Beehto estava bêbedo quando a compôs.

 Se é verdade, terei que bebericar algo no dia 3 para ouvir melhor. Beehto, como sempre, estará presente e daquele jeitinho, né muleque?" 

De tão feliz que ficou, Jacaré pulou aos braços de Colin como se pode ver na foto acima mais um pouquinho.


Outros que já anunciaram  presença são Mille Davis e Ella Fitzgerald , é só ouvir com se prepara um beijo

If you hear
A song in blue
Like a flower crying
For the dew
That was my heart serenading you
My prelude to a kiss
...

Oh how my love song so gently cries
For the tenderness within your eyes
My love is a prelude that never dies
A prelude to a kiss


A festa será demais , assim falaram a ânima e ânimus do Jacaré


sexta-feira, 4 de abril de 2014

Drosófilas dançarão sinfonia de Beethoven na festa do Jacaré trabalhador em 3 de maio... e Chiquita Bacana também


A dança das drosófilas fará parte da coreografia da festa na qual será servido o especial suco de banana, não percam.

Oiçamos o som das drosófilas clássicas pelo maestro Matheus Bitondi



Em segundo ato entrarão Beethoven e Schiller  dançando Ode à alegria como nos melhores Ode à alegria  teatros revista da Praça Tiradentes



Alegria bebem todos os seres
No seio da Natureza:
Todos os bons, todos os maus,
Seguem seu rastro de rosas.
Ela nos deu beijos e vinho e
Um amigo leal até à morte;
Deu força para a vida aos mais humildes
E ao querubim que se ergue diante de Deus!


Para o terceiro ato, Braguinha mais uma vez vem visitar o Jacaré com o existencialismo da Chiquita



Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casca de banana nanica

Não usa vestido, oi! não usa calção
Inverno pra ela é pleno verão
Existencialista com toda razão
Só faz o que manda o seu coração, ôi!



Agora, respeitável público, a receita do suco de banana:

  • 1 banana maçã
  • Suco de 1 laranja
  • 4 colheres (sopa) de suco concentrado de maracujá
  • 4 pedras de gelo
  • 1/2 copo de água   
 
Assim é fácil, a receita foi copiada da sopa de pedra, assim falou Jacaré

sábado, 29 de março de 2014

Jacaré, evoé, calofé, assim falou Jorge Mautner e tudo chegará a 3 de maio na festa


A festa do Jacaré trabalhador em festa, pois não vende a alma e luta, junta os Nazaré com essa beleza de Jorge Mautner, quem viu melhor não viu essa

Urge dracon
Ave cesar
Urge dracon
Ave cesar

Magnificus, supremus, augustus
Divinus, superbus, vitalicius
Professor, diktator, imperator
Professor, diktator, imperator
Evoé colofé



  
Salve o nosso guia
Pro que der e o que vier
Salve o nosso guia
Jorge mautner

Ou o mundo se brasilifica
Ou vira nazista
Jesus de nazaré
E os tambores do candomblé




Pois essa estória de muiots Nazarés na festa para Ernesto Nazaré e Loucura Suburbana, em 3 de maio, veio da jacarense Leila sales, que assim falou:

"Estava na Hipólito da Costa com meu Fidel e ouvi uma música da mãe Quelé vindo de uma casa. Uma senhora me disse que lá morava a sobrinha de Clementina e que de vez em quando ela tocava canções da tia.

Inflei um peito de pomba, orgulhosa.

Como diz Mautner, “Viva Jesus de Nazareth, “Mãe Quelé “ (eu acrescento) e os tambores do candomblé. E claro, Ernesto, homenageado pelo Jacaré."



Ao ser chamada, Clementina, que é Jacaré de coração, chegou cantando os cantos de trabalho
Saio do trabalho êh,
volto para casa coronéêh!
Não lembro de carteira maior,
em tudo é o mesmo suor. 

Alegria do carreiro
é de ver o galo cantar.
E duas juntas de boi preto
e boa vara de tocar.
Lá lá lá l lá lá lá...


 No que se falou em loucura, Abel Silva, recitou p'ro Jacaré

Me disse um louco:
Quem não fala sozinho,
Não fale com os outros

E depois cantou a Jura Secreta

Só uma coisa me entristece
O beijo de amor que não roubei


A jura secreta que não fiz
A briga de amor que eu não causei







Eu desço dessa solidão
Espalho coisas sobre
Um Chão de Giz
Há meros devaneios tolos
A me torturar
Fotografias recortadas
Em jornais de folhas
Amiúde!
...
Agora pego
Um caminhão na lona
Vou a nocaute outra vez
Pra sempre fui acorrentado
No seu calcanhar
Meus vinte anos de boy
That's over, baby!
Freud explica


Das danças, lutas e crenças, Candeia sintetizou toda conversa 


 ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprender Diz Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Capoeira não é brincadeira, mas joga bonito que é pra valer. Diz gente. Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu acabo de chegar. Paraná, diz. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu só vim apreciar. Paraná rima. Paranauê (rima, gente), paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Me dê licença, quero aprender a jogar. Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Ô paranauê, ô paranauê, Paraná. Vai Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paranclique aqui

A Haydé joga bonito que eu quero ver

Paranauê, paranauê, Paraná

Maculelê nã me mate o homem

Por que não vejo
Não vejo não 
E Clementina não veio

Quem viver verá
a festa do Jacaré Trabalhador de 3 de maio
i, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprenderemagrecer
i, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprenderemagrecer
Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprender Diz Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Capoeira não é brincadeira, mas joga bonito que é pra valer. Diz gente. Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu acabo de chegar. Paraná, diz. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu só vim apreciar. Paraná rima. Paranauê (rima, gente), paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Me dê licença, quero aprender a jogar. Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Ô paranauê, ô paranauê, Paraná. Vai Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paranclique aqui
Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprenderemagrecer
Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprenderemagrecer
Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Ai, ai, haydê Dona Maria como vai você? Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver É um A é um B é um C Mas menina me ensina que eu quero aprender Diz Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Capoeira não é brincadeira, mas joga bonito que é pra valer. Diz gente. Ai, ai, haydê Joga bonito que eu quero aprender Ai, ai, haydê Ô joga bonito que eu quero ver Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu acabo de chegar. Paraná, diz. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, eu só vim apreciar. Paraná rima. Paranauê (rima, gente), paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Me dê licença, quero aprender a jogar. Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. Ô paranauê, ô paranauê, Paraná. Vai Paranauê, paranauê, Paraná. Paranauê, paranauê, Paraná. sucos detox

domingo, 23 de março de 2014

No dia 3 de maio, festa do Jacaré trabalhador, o homenageado será Ernesto Nazareth




Jacaré passeando pela Cinelândia encontrou Antônio Adolfo que lembrou ser estar nos 151 anos de Ernesto Nazaré.

Os dois então entraram no cinema Odeon, depois de um cafezinho em pé na esquina, e lá Ernesto chamou Antnio ao piano e olhem a lindeza que Jacaré escutou.

Ai, quem me dera
O meu chorinho
Tanto há tempo abandonado
E a melancolia que eu sentia
Quando ouvia
Ele fazer tanto chorado Adios Nonino
Ai, nem me lembro
Há tanto, tanto
Todo o encanto
De um passado
Que era lindo
Era triste, era bom
Igualzinho a um chorinho
Chamado Odeon



Lá pelas tantas, Nara Leão entou no palco, com uma saia curta mostrando os belos joelhos, e nos cantou também o Odeon

Chora bastante meu chorinho
Teu chorinho de saudade
Diz ao bandolim pra não tocar
Tão lindo assim
Porque parece até maldade
Ai, meu chorinho
Eu só queria
Transformar em realidade
A poesia
Ai, que lindo, ai, que triste, ai, que bom
De um chorinho chamado Odeon


Daí seguiu-se Bambino, lógico que com Elza Soares

E se o ferro ferir

E se a dor perfumar
Um pé de manacá
Que eu sei existir
Em algum lugar

E se eu te machucar
Sem querer atingir
E também magoar
O seio mais lindo que há
 
No piano também, pois era um número infinito de pianos no palco, Marco Aurélio Xavier, de alma brasileira, também tocou o Bambino

E se for ou não for
Vou contigo dançar
E sempre te amar amor

E se eu nunca pagar
O quanto pedi
Pra você me dar
E se a sorte sorrir
O infinito deixar
Vou seguindo seguir
E quero teus lábios beijar




Como Bambino é um tango brasileiro publicado em 1907, Astor Piazzola também nesse palco iluminado brindou a platéia com Adios Nonino pois sempre chega a hora de dizer adeus - a hora do réquiem, também escrito por Mozart e cantado p'ra Chopin.

 
Voltemos pois a Nazareth, que com Odeon, Bambino, Apanhei-te cavaquinho, ameno Resedá,..

... com essas obra todas foi internado no manicômio Juliano Moreira, em Jacarepaguá, dali tentou fugir e morreu afogado.

Nosso bloco vai homenagear aqueles que trabalham com a loucura tirando dela a doença e com ela fazendo arte, trabalho e música como faz o


com o jacarense Abel do Cavaco que, desde já, está ensaiando as composições de Erneto Nazareth para invadirem a festa de 3 de maio, na esquina.

E p'ra terminar essa edição, Jacaré convida a todos para brejeiramente procurar um cavaquinho p'ra apanhar

fim por hoje

quinta-feira, 20 de março de 2014

Casa Nova, Casablanca, Casanova ao som de Joan Baez, assim falou Jacaré





 Jacaré acordou em Casa Nova vestindo e ouvindo no Rasta Chinela , oiçam :

Como é doce o beijo
Quando vem da sua bôca
Dá uma vontade
De levar você comigo...
Na verdade isso


A editoria do Jacaré, confundindo Casa Nova com Casablanca, mandou essa com Frank Sinatra :
You must remember this
A kiss is still a kiss
A sigh is just a sigh


Avisada da varada cometida, nossa editoria mais que depressa resgatou Casanova, o amante sublime cantando Je T´aime

- Je t'aime je t'aime
Oh oui je t'aime
- Moi non plus
- Oh mon amour
- Comme la vague irrésolue
Je vais, je vais et je viens
Entre tes reins
Je vais et je viens
Entre tes reins
Et je me retiens 


Ora, ora vejam só: essa música nos anos 70 foi proibida de ser ouvida pela ditadura que também proibiu Joan Baez de cantar em 1981 em São Paulo, mas Jacaré anuncia:

 Joan Baez, 30 anos depois está no Brasil cantando linda, linda



When I find myself in times of trouble
Mother Mary comes to me
Speaking words of wisdom
Let it be
And in my hour of darkness
She is standing right in front of me
Speaking words of wisdom
Let it be
Let it be, let it be
Let it be, let it be
Whisper words of wisdom
Let it be

E qual Casa Nova que Jacaré falou no início dessa página hoje ?



Jacaré não fala, canta com Sá e Guarabira:

O homem chega, já desfaz a natureza
Tira gente, põe represa, diz que tudo vai mudar
O São Francisco lá pra cima da Bahia
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
E passo a passo vai cumprindo a profecia do beato que dizia que o Sertão ia alagar

O sertão vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vire sertão

Adeus Remanso, Casa Nova, Sento-Sé
Adeus Pilão Arcado vem o rio te engolir
Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
Por cima da cachoeira o gaiola vai, vai subir
Vai ter barragem no salto do Sobradinho
E o povo vai-se embora com medo de se afogar.

Remanso, Casa Nova, Sento-Sé
Pilão Arcado, Sobradinho
Adeus, Adeus ...




Cuidado moço, viver é perigoso !
 assim falaram Riobaldo e Jacaré