quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Primeiro registro encontrado por antropófagos de Noel e Jacaré na imprensa com bailes nessa sexta em Vila Isabel à luz da lua e Anitta somente com a casca de banana nanica..




09 de fevereiro - sexta de carnaval


Baile Infantil de 17 às 19:30


Baile adulto de 20 às 23


Visconde de Abaeté com Torres Homem
Vila Isabel

Primeiro registro paleontólogico encontrado por antropófagos sobre Noel e Jacaré na imprensa - em 2004


Recebemos várias ligações reclamando que cometemos um erro de português o correto seriam antropólogos e não antropófagos

Mas Jacaré responde :

Só a antropofagia nos une

E mostra o Abaporu na camiseta


E erro de portugês mesmo foi esse:

Quando o português chegou
Debaixo duma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena! Fosse uma manhã de sol
O índio tinha despido
O português.




 E Anitta avisa que estará na festa do Jacaré vestida somente com uma casca de banana nanica


Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casca de banana nanica [2x]

Não usa vestido, não usa calção
Inverno pra ela é pleno verão
Existencialista com toda razão
Só faz o que manda o seu coração

Prepara, Chiquita!

Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casca de banana nanica [2x]

Não para, Chiquita!

Não usa vestido, não usa calção
Inverno pra ela é pleno verão

Enquanto isso, o Barracão vai a todo o vapor para cantar os 12 anos de mãos dadas com Noel.



Até amanhã se Deus quiser
Se não chover eu volto pra te ver
Oh, mulher!
De ti gosto mais que outra qualquer
Não vou por gosto
O destino é quem quer

Adeus é pra quem deixa a vida
É sempre na certa em que eu jogo
Três palavras vou gritar por despedida:
"Até amanhã! Até já! Até logo!"

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Jacaré, 18 anos anos de mãos dadas com Noel, canta que o doutor chora por um auxilio moradia. Jacaré prefere a dignidade do barracão


09 de fevereiro - sexta de carnaval


Baile Infantil de 17 às 19:30


Baile adulto de 20 às 23


Visconde de Abaeté com Torres Homem


Vila Isabel

Rose, nossa rainha convoca e canta:

Vem sambar io iô
Menina, pra que desamor
 Veja quanta beleza 
O samba assim como a flor 
Também é natureza  

 Black Out, o General da Banda

Antes de se apresentar, Noel pede que Black Out cante o chora doutor medroso de perder o auxílio moradia pois Jacaré tem um barracão e um amor.

Chora doutor, chora
Eu sei que o medo de ficar pobre
Lhe apavora
O senhor tem palacete pra morar
Mas eu tenho um barracão e um amor
Ah doutor, ah doutor
Eu só não quero ter a vida do  senhor


Agora é a hora de Noel apresentar a primeira camiseta do Jacaré numa criação de Nei Lopes.

Parabéns, Jacaré você faz 18 anos, assim falou Noel Rosa 

A colombina entrou num butiquim
Bebeu, bebeu, saiu assim, assim

Dizendo: pierrô cacete
Foi tomar sorvete com o arlequim

Um grande amor tem sempre um triste fim
Com o pierrô aconteceu assim
Levando esse grande chute
Foi tomar vermute com amendoim


Di Cavalcante - blog Vermute com amendoim

Amanhã teremos mais histórias do Jacaré e Noel de mãos dadas em Vila Isabel

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Já sei namorar, não aceito auxilio moradia e durmo numa folha de jornal, assim falou Jacaré ao completar 18 anos e convidar para os bailes de sexta de Carnaval


Tradicional baile de carnaval a céu aberto:


09 de fevereiro - sexta de carnaval

Baile Infantil de 17 às 19:30

Baile adulto de 20 às 23

Visconde de Abaeté com Torres Homem

Vila Isabel
Marc Chagall

E Jacaré convoca Nietzsche, Zaratustra e Eumir Deodato para tocarem na festa, oiçam:

Então, Gilberto Gil se chegou e disse assim:


Tudo permanecerá do jeito
Que tem sido
Transcorrendo, transformando
Tempo e espaço navegando todos os sentidos

Água mole, pedra dura
Tanto bate que não restará nem pensamento

Pensamento, mesmo fundamento singular
Do ser humano, 



Nessa hora Zé Keti alertou: 

Tanto riso, oh quanta alegria
Mais de mil palhaços no salão
Arlequim está chorando pelo amor da Colombina
No meio da multidão

Foi bom te ver outra vez
Tá fazendo um ano
Foi no carnaval que passou
Eu sou aquele pierrô
Que te abraçou
Que te beijou, meu amor
Na mesma máscara negra
Que esconde o teu rosto
Eu quero matar a saudade
Vou beijar-te agora
Não me leve a mal
Hoje é carnaval 


Pois é hora encerrar essa edição lembrando que os bailes de sexta de Carnaval do Jacaré serão lindos.

 Personagens de Godot protestando contra pagar aluguel para juiz morar

Para encerrar mesmo, Noel Rosa cantou  O orvalho vem caindo por não concordar em pagar o aluguel das casas dos juízes sozinhos ou em par.

O orvalho vem caindo, vai molhar o meu chapéu
e também vão sumindo, as estrelas lá do céu
Tenho passado tão mal
A minha cama é uma folha de jornal

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Carnaval do Eu sou eu, Jacaré é bicho d'água numa festa de perder a cabeça de alegria e resistência na rua - Uma Loucura


Jacaré completa 18 anos e promove o tradicional baile de carnaval a céu aberto:

09 de fevereiro - sexta de carnaval

Baile Infantil de 17 às 19:30

Baile adulto de 20 às 23

Visconde de Abaeté com Torres Homem

Vila Isabel

A melhor fantasia será a melhor fantasia assim copiou Jacaré do samba de quadra Papo cabeça do Loucura Suburbana, vejam :

Gostar de si
é gostar do outro
Gostar do outro
é gostar de si
Do Loucura,
todo mundo gosta 

 

De mulher e de louco
Todos nós temos um pouco
Refazer, Resistir e Recriar
Sem Loucura não vai dar 

 Mini estandarte por Gisele Cvalcante

E, com dezoito anos, na maioridade, Jacaré ao ouvir o gostar do outro saiu alegre a cantar... 

Já sei beijar de língua
Agora só me resta sonhar
Já sei onde ir
Já sei onde ficar
Agora só me falta sair



Já sei namorar
Já sei chutar a bola
Agora só me falta ganhar
Não tenho juiz
Se você quer a vida em jogo
Eu quero é ser feliz

Ser adolescente é ser uma gostosa crise existencial que, vinda da Itália, se abate até sobre o Jacaré na voz da muito jovem Rita Pavone.


Non e facille avere 18 anni, assim cantou Rita


Rita Pavone - 1964

 Mas Jacaré achou a música um saco, puxou a italiana para o Bloco, trocaram beijos de língua e os sinos tocaram uma tremenda agitação com o martelo na cabeça dos chatos.



Datemi un martello.
Che cosa ne vuoi fare?
Lo voglio dare in testa
A chi non mi va, sì sì sì,
A quella smorfiosa
Con gli occhi dipinti
Che tutti quanti fan ballare
Lasciandomi a guardare
Che rabbia mi fa
Che rabbia mi fa

 Para dar os trâmites por findos, Jacaré avisa, chatos não venham aos bailes, a onda é trazer alegria.

sábado, 16 de dezembro de 2017

Navio português Adamastor chega ao Rio com estrela lusa para Noel cantar hoje na festa do Jacaré



Aniversário de 107 anos de Noel Rosa 

 festa

16 de dezembro - sábado
  17 horas - lavagem da estátua de Noel
Vinte oito de setembro com São Francisco Xavier
iluminada pelo sol
18 horas - caminhada musical pelas partituras do Boulevard
19 horas - samba choro
Visconde de Abaeté com Torres Homem
 iluminada pela Lua



Como deu no New York Times, hoje pela manhã o navio protuguês Adamastor atracou no cais da Praça Mauá trazendo uma cantora portuguesa, cujo nome não podemos ainda revelar, para abrilhantar a festa de Noel - 107 anos.

A vinda da cantora no Adamastor está relatada nos Lusíadas assim : "

os marinheiros lusos viajavam por mares “nunca d’outrem navegados” com o vento de feição, mas certa noite, uma nuvem escura surgiu sobre a armada e os marinheiros encheram-se de medo.

Mas ela chegou deixando o gigante, que foi transformado em pedra, preso ao Cabo das Tormentas, dizem que a cantora pode ser Thetis.


Enquanto fica o chega não chega, Noel e Gilberto Gil, resolveram cantar Com que roupa para a cachopa.

Agora vou mudar minha conduta
Eu vou pra luta pois eu quero me aprumar
Vou tratar você com a força bruta
Pra poder me reabilitar

Pois esta vida não está sopa
E eu pergunto: com que roupa?
Com que roupa que eu vou
Pro samba que você me convidou?
Com que roupa que eu vou
Pro samba que você me convidou?

Agora eu não ando mais fagueiro
Pois o dinheiro não é fácil de ganhar
Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro
Não consigo ter nem pra gastar


Seu português agora deu o fora
Já foi-se embora e levou seu capital
Esqueceu quem tanto amou outrora
Foi no Adamastor pra Portugal
Pra se casar com uma cachopa

Agora, nosso Noel foi para o camarim provar a camisa nova observado por animais selvagens, vejam :




Para evitar qualquer atrapalho, Jacaré recomenda uma passada no boteco do Arlindo com João Nogueira.

Gripe cura com limão, jurubeba é pra azia
Do jeito que a coisa vai, boteco do Arlindo vira drogaria
O médico tava com medo que o meu figueiredo não andasse bem
Então receitou jurubeba, alcachofra e de quebra carqueja também
Embora fosse homeopatia a grana que eu tinha era só dois barão
Mas o Arlindo é pai d'égua, foi passando a régua, eu fiquei logobão



Tem vinho pra conjuntivite, licor pra bronquite, cerveja pros rins
Traçados e rabos-de-galo pra todos os males e todos os fins
O Juca chegou lá no Arlindo se desmilingüindo, querendo apagar
Tomou batida de jambo, recebeu o rango e botou pra quebrar

Batida de erva-cidreira se der tremedeira ou palpitação
Pra quem tá doente do peito faz um grande efeito licor de agrião
E toda velhice se acaba se der catuaba prum velho tomar
Meu Tio bebeu lá no Arlindo e saiu tinindo pra ir furunfar.


E assim, vamos picar a mula pois a festa na rua está a rua pois a "praça é do povo como o céu é do condor", assim falou Castro Alves

A festa começou, ouçam o hino do Eu sou eu, Jacaré é bicho d'água sendo entoado nas ruas da Vila na voz de Luciano Macedo.

Tem torresminho, tem quiabo, tem poesia que na Vila não se vacila







quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

107 anos de Noel Rosa, festa do Jacaré em Vila Isabel para abraçar o poeta, filósofo e sambista



Aniversário de Noel Rosa 

 festa

16 de dezembro - sábado
de 17 às 23 horas
iluminada pela Lua

 em dois atos e um movimento

Primeiro Ato- o poeta
 Lavagem da estátua de Noel Rosa
 Vinte e Oito com São Francisco Xavier 
 às17 horas
Homenagem ao poeta Noel, Jacaré escolheu As Pastorinhas:
A estrela d'alva no céu desponta
E a lua anda tonta com tamanho esplendor
E as pastorinhas pra consolo da lua
Vão cantando na rua lindos versos de amor

Linda pastora morena da cor de madalena
Tu não tens pena de mim
Que vivo tonto com o teu olhar
Linda criança tu não me sais da lembrança
Meu coração não se cansa
De sempre sempre te amar
Jacaré, ao observar a imagem sobre Noel, percebeu que lá está escrito Odeon, uma das raras salas de cinema que sobrevivem no Rio, chamou seu amigo  ‎Ernesto Nazareth para cantar Odeon com Fernanda Takay 
Ai, quem me dera
O meu chorinho
Tanto há tempo abandonado
E a melancolia que eu sentia
Quando ouvia
Ele fazer tanto chorado
Ai, nem me lembro
Há tanto, tanto
Todo o encanto
De um passado
Que era lindo
Era triste, era bom
Igualzinho a um chorinho
Chamado Odeon


O meu chorinho
Terçando flauta e cavaquinho...


Movimento - o filósofo



Caminhada musical até a Abaeté com Torres Homem
às 18 horas 
Jacaré perguntou então a Noel se a homenagem deveria ser feita com a música Filosofia.
Noel respondeu :
-- Não, a escolha será Não tem tradução pois na década de 30 já se via que "a globo" viria a fazer como o cinema falado americano fez invadindo nossas telas matando índios e impondo produtos dos esteites.
O cinema falado é o grande culpado da transformação
Dessa gente que sente que um barracão prende mais que o xadrez
Lá no morro, seu eu fizer uma falseta
A Risoleta desiste logo do francês e do Inglês
Amor lá no morro é amor pra chuchu
As rimas do samba não são I love you
E esse negócio de alô, alô boy e alô Johnny
Só pode ser conversa de telefone.. 


...Quanto a você da aristocracia
Que tem dinheiro, mas não compra alegria
Há de viver eternamente sendo escrava dessa gente
Que cultiva hipocrisia...

Segundo Ato - o sambista
 

Roda de Choro Samba
Esquina de Visconde de Abaeté com Torres Homem
de 19 às 23 horas  

Nesse, o jacarense Jairo, disse assim:

- Aracy assume a batuta !

E assim se fará com :

Quem acha vive se perdendo
Por isso agora eu vou me defendendo
Da dor tão cruel desta saudade
Que por infelicidade
Meu pobre peito invade

Por isso agora lá na penha
Vou mandar minha morena
Pra cantar com satisfação
E com harmonia
Esta triste melodia
Que é meu samba em feitio de oração

Batuque é um privilégio
Ninguém aprende samba no colégio
Sambar é chorar de alegria
É sorrir de nostalgia
Dentro da melodia




Por isso agora lá na penha
Eu vou mandar minha morena
Pra cantar com satisfação
E com harmonia
Esta triste melodia
Que é meu samba em feitio de oração

Batuque é um privilégio
Ninguém aprende samba no colégio
Sambar é chorar de alegria
É sorrir de nostalgia
Dentro da melodia

Por isso agora lá na penha
Eu vou mandar minha morena
Pra cantar com satisfação
E com harmonia
Esta triste melodia
Que é meu samba em feitio de oração  
João Nogueira para cantar no Jacaré:

 À festa, assim falou Noel Rosa

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Do Estácio à Vila , Ismael e Noel numa grande festa em 16 de dezembro no Eu sou eu, Jacaré é bicho d'água


Aniversário de Noel Rosa 
 festa
16 de dezembro - sábado
 em dois atos e um movimento

Primeiro Ato

 Lavagem da estátua de Noel Rosa
 Vinte e Oito com São Francisco Xavier 
 às17 horas




Movimento : 

Caminhada musical até a Abaeté com Torres Homem
às 18 horas  


Segundo Ato 

Roda de Choro Samba
Esquina de Visconde de Abaeté com Torres Homem
de 19 às 23 horas  



Noel é assim, por isso trouxe Ismael Silva para no seu aniversário cantar com Luiz Melodia:

Nasci no Estácio
Eu fui educada na roda de bamba
Eu fui diplomada na escola de samba
Sou independente, conforme se vê

Nasci no Estácio
O samba é a corda e eu sou a caçamba
E não acredito que haja muamba
Que possa fazer gostar de você

Noel e Ismael Silva

Eu sou diretora da escola do Estácio de Sá
E felicidade maior neste mundo não há
Já fui convidada para ser estrela do nosso cinema
Ser estrela é bem fácil
Sair do Estácio é que é o X do problema

Você tem vontade
Que eu abandone o largo de Estácio
Pra ser a rainha de um grande palácio
E dar um banquete uma vez por semana
Nasci no Estácio
Não posso mudar minha massa de sangue
Você pode ver que palmeira do mangue
Não vive na areia de Copacabana 

Somente para quem ouve a rádio Jacaré, Aracy de Almeida e Ismael Silva metem bronca, até a festa :

                 eu nem tudo que se diz se faz....