sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Amanhã é o dia da festa do aniversário de Noel Rosa - da lavagem da estátua à roda de samba para Wilson das Neves. E Ceci não é cachimbo, assim falou Jacaré

Sábado 
13 de dezembro
Cento e quatro anos de Noel
Lavagem musical da estátua às 17 horas
com água de cheiro seguida da
Caminhada pelas calçadas musicais da Vila
Roda de samba choro a partir da 19 horas
Abaeté com Torres Homem 


Noel Rosa, convidou Wilson das Neves para confirmarem se Marcos Sacramento estava azarando Ceci, a Dama do Cabaré, oiçam:

Foi num cabaret na Lapa
Que eu conheci você
Fumando cigarro, entornando champanhe no seu soirée
Dançamos um samba, trocamos um tango por uma palestra
Só saimos de lá meia hora depois de descer a orquestra
Em frente à porta um bom carro nos esperava
Mas você se despediu e foi pra casa a pé

 Di Cavalcanti também estava lá

No outro dia lá nos Arcos eu andava
À procura da dama do cabaré
Eu não sei bem se chorei no momento em que lia
A carta que eu recebi (não me lembro de quem)
Você nela me dizia
Que quem é da boemia
Usa e abusa da diplomacia
mas não gosta de ninguém.

Não encontraram Ceci e vendo um quadro de Magrite na parede, desde o Jacaré de 2011, perguntaram a Noel se ele estava enamorado de um cahimbo.


Não, minha Ceci não é um cahimbo, ela é assim o Amor da minha vida como cantou Wilson das Neves.

Tu és o sol que faz brilhar meu bem,
Cada manhã da minha vida
Tua presença é que me da motivação
Pra prossegui na vida
O teu olhar é que mantém a minha chama
Sempre acesa
...
Tu és o bem mais importante que eu ganhei
A firme e não vacilo
Sem ter de noite um beijo teu,
Eu já não durmo tão tranquilo



Como a festa vem chegando, Noel, depois de consultar Chico Buarque, resolveu fazer um brinde com Wilson Batista e Wilson Moreira



Louco, pelas ruas ele andava

O coitado chorava
Transformou-se até num vagabundo
Louco, para ele a vida não valia nada
Para ele a mulher amada 
Era seu mundo 









Eu vou me imbora, pra Minas Gerais agora.


Eu vou pela estrada a fora, tocando meu candongueiro, oi.

Eu sou de Angola, bisneto de quilombola

Não tive e não tenho escola, mas tenho meu candongueiro.

No cativeiro, quando estava capiongo, meu avô cantava jongo, pra

poder segurar, oi.

A escravaria quando ouvia o candongueiro,
Vinha logo pro terreiro, para saracotear



 Meu candongueiro, bate jongo dia e noite.
Só não bate quando o açoite quer mandar ele bater, oi
Também não bate, quando seu dinheiro manda, isto aqui não é
quitanda pra pagar e receber.
Meu candongueiro tem mania de demanda.
Quem não é da minha banda, pode logo debandar, oi.
Pra vir comigo tem que ser bom companheiro, ser sincero e
verdadeiro, pra poder me acompanhar


Jacaré registra aqui um doce recado recebido :

"Tem coisa que a gente gosta mas não pode amar, tem coisa que a gente ama e não pode ter. Assim estou, vou pra Cartagena de Índias feliz, mas com o coração pequenino, querendo ficar na aldeia para ouvir Wilson das Neves. Leila Sales"

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Jacaré flaneur, romântico, político pois gosta de Bertold, canta com Nara e Zé Keti para chamar Wilson das Neves e saudar Noel Rosa


Jacaré flaneur, romântico, político pois gosta de Bertold, canta com Nara e Zé Keti para chamar Wilson das  Neves e saudar Noel Rosa

Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí
Levando o violão debaixo do braço
Em qualquer esquina eu paro
Em qualquer botequim eu entro
Se houver motivo
É mais um samba que eu faço



Se quiserem saber se eu volto
Diga que sim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim
Tenho um violão para me acompanhar
Tenho muitos amigos, eu sou popular
Tenho a madrugada como companheira
A saudade me doi, o meu peito me roi
Eu estou na cidade, eu estou na favela


Eu estou por aí
Sempre pensando nela



Mais ainda, Jacaré juntou  Bach, Shakespeare e Procol Harum numa festa de anti computador sentimental :

We skipped the light fandango
Turned cartwheels 'cross the floor
I was feeling kinda seasick
But the crowd called out for more
The room was humming harder
As the ceiling flew away
When we called out for another drink
The waiter brought a tray



Jacaré, dessa época pré tropicália, com um copo de wisky JB  ao ouvir notas de Bach, foi na vitrola e de lá nos trouxe, Lalo Shifrin em Blues para Johann Sebastian Bach.


A ópera é no Municipal e perto do Municipal tem a Lapa e na Lapa tem Cabaré e no Cabaré, Noel Rosa,vejam com Paulinho da Viola:

Pra que mentir se tu ainda não tens
Esse dom de saber iludir?
Pra quê?! Pra que mentir
Se não há necessidade de me trair?
Pra que mentir, se tu ainda não tens
A malícia de toda mulher?
Pra que mentir
se eu sei que gostas de outro
Que te diz que não te quer?
Pra que mentir
Tanto assim
Se tu sabes que eu sei
Que tu não gostas de mim?!
Se tu sabes que eu te quero
Apesar de ser traído
Pelo teu ódio sincero
Ou por teu amor fingido?!

 é e assim será a festa de 13 de dezembro, assim falou Jacaré



Sábado 
13 de dezembro
Cento e quatro anos de Noel
Lavagem musical da estátua às 17 horas
com água de cheiro seguida da
Caminhada pelas calçadas musicais da Vila
Roda de samba choro a partir da 19 horas
Abaeté com Torres Homem com a presença do homenageado de 2015

Wilson das Neves

sábado, 6 de dezembro de 2014

Treze de dezembro a Grande festa Noel Rosa 104 anos com a presença de Wilson das Neves, Touluse Lautrec, Ceci e Lindonéia


Sábado 
13 de dezembro
Cento e quatro anos de Noel

Lavagem musical da estátua às 17 horas
com água de cheiro seguida da

Caminhada pelas calçadas musicais da Vila

Roda de samba choro a partir da 19 horas
Abaeté com Torres Homem com a presença do homenageado de 2015

Wilson das Neves

Império Serrano

Jacaré, animado com o sucesso que foi a festa que acontecerá no próximo dia 13 com o aniversário de Noel Rosa, procurou Ivan Lins que assim cantou o surreal Noel:  Futurismo


Nasci na Praia do Vizinho, 86
Vai fazer um mês
Que minha tia me emprestou cinco mil réis
Pra comprar pastéis

É futurismo, menina,
É futurismo, menina,
Pois não é marcha
Nem aqui nem lá na China
Depois mudei-me para a Praia do Cajú
Para descansar


No cemitério toda gente pra viver
Tem que falecer
Seu Dromedário é um poeta de juízo
É uma coisa louca

Pois só faz versos quando a lua vem saindo
Lá do céu da boca



Nesse momento, Noel procurou um carro para ir num cabaré da Lapa, e quem vinha ao volante ?


- Wilson das Neves que da Vila à Lapa foi cantando Último Desejo e entraram filme adentro até hoje nos melhores cinemas da cidade


Nosso amor que eu não esqueço
E que teve o seu começo
Numa festa de São João
Morre hoje sem foguete
Sem retrato e sem bilhete
Sem luar, sem violão
...

Às pessoas que eu detesto
Diga sempre que eu não presto
Que meu lar é o botequim
Que eu arruinei sua vida
Que eu não mereço a comida
Que você pagou pra mim


 Ceci

No cabaré da Dama da Lapa, ao lado de Ceci,  Noel sugeriu ao Jacaré:

- Homenageie  Wilson das Neves em 2015 numa festa linda a começar por meu aniversário festejado em 13 de dezembro.

Não deu outra: maktub, assim falou Beremiz na voz de Malba Tahan como se vê acima.
 Rubens Gerchman. Lindonéia (1966)

Em se falando de pastéis não se pode deixar de falar na Lindonéia que apareceu suave e doce com Nara Leão

Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida
Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor
Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo, segunda-feira
Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor
No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida

e Jacaré, depois dessa viagem pelo Brasil, com Nara foi ao Circo, com Touluse Lautrec e Sidney Miller, que foi-se embora pois ainda era criança

Vai, vai, vai começar a brincadeira
Tem charanga tocando a noite inteira
Vem, vem, vem ver o circo de verdade
Tem, tem, tem picadeiro de qualidade
...
Vai, vai, vai terminar a brincadeira
Que a charanga tocou a noite inteira
Morre o circo, renasce na lembrança
Foi-se embora e eu ainda era criança

FIN

domingo, 23 de novembro de 2014

A dança quem inventou ? Foi Lennie Dale, assim falou Elis Regina e saudemos Wilson das Neves


Aqui Lennie Dale ensinou Elis Regina a dançar barbarizando:

Vejam : 


Minha alma canta
Vejo o Rio de Janeiro
Estou morrendo de saudades
Rio, seu mar
Praia sem fim
Rio, você foi feito prá mim
Cristo Redentor
Braços abertos sobre a Guanabara
Este samba é só porque
Rio, eu gosto de você
A morena vai sambar
Seu corpo todo balançar
Rio de sol, de céu, de mar
Dentro de mais um minuto estaremos no Galeão
Copacabana, Copacabana

E nossa Elis seguiu para Montreux em 1979 na Suíça, aonde se faziam relógios de precisão e um festival de jazz duca


Madalena
O meu peito percebeu
Que o mar é uma gota
Comparado ao pranto meu.
Fique certa
Quando o nosso amor desperta
Logo o sol se desespera
E se esconde lá na serra.
Madalena
O que é meu não se divide
Nem tão pouco se admite
Quem do nosso amor duvide.
Até a lua se arrisca num palpite
Que o nosso amor existe
Forte ou fraco alegre ou triste.



E foi aí que Wilson das Neves entrou na roda com Elis que avisou :

-  Wilson tu serás o homenageado do Jacaré em 2015

E assim se fez como mostra essa entrevista do nosso homenageado que em seguida levou o samba é meu dom no Império Serrano

O samba é meu dom
Aprendi bater samba ao compasso do meu coração
De quadra, de enredo, de roda, na palma da mão
De breque, de partido alto e o samba-canção
O samba é meu dom
Aprendi dançar samba vendo um samba de pé no chão
No Império Serrano, a escola da minha paixão
No terreiro, na rua, no bar, gafieira e salão
Meu nome não esquece mais não



E na mesa de um bar nos arredores do Jacaré, falou-se de Marino Pinto, Zé da Zilda, Bide e Marçal ...

e tal do João Gilberto cantou uma e Lúcio Alves outra :

Aos pés da Santa Cruz


Aos pés da Santa Cruz você se ajoelhou
Em nome de Jesus um grande amor você jurou
Jurou, mas não cumpriu, fingiu e me enganou
Pra mim você mentiu
Pra Deus você pecou
O coração tem razões que a própria razão desconhece
Faz promessas e juras, depois esquece
Seguindo este princípio você também prometeu
Chegou até a jurar um grande amor
Mas depois esqueceu


 Agora é cinza

Você partiu
Saudade me deixou
Eu chorei
O nosso amor foi uma chama
Que o sopro do passado desfaz
Agora é cinza
Tudo acabado e nada mais


 Pois é gente, com Wilson das Neves no pedaço, o samba será da melhor qualidade como cantou Xangô da Mangueira

Da melhor, sem maldade
Da melhor
Mulher da melhor qualidade
Dela
Eu sou o seu pretinho com muita vaidade
Ela
Me deu um mundo de felicidade
Ela
Eternamente estará ao meu lado porque
Eu estou contigo e não abro

13 de dezembro, a festa

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Depois do sucesso do macarrão: ao ateliê fazer o Noel , essa é a ordem, assim falou Jacaré.

ô Irene, ô Irene vai pegar o querosene p'ra acender o fogareiro.

Ô Irene, Ô Irene
Ô Irene, Ô Irene
Vai buscar o querosene
Pra acender o fogareiro
Eu disse mel, alfavaca
Feitos do manjericão
Arruda e guiné
Pra dispersar o mau olhado
Meu pai minha mãe mandou
Meu pai minha mãe mandou
Meu pai minha mãe mandou você
Tomar um banho de alecrim cheiroso
De alecrim cheiroso, de alecrim cheiroso


E ao fogo de querosene no carvão, Sônia e Lucinha deram início aos trabalhos no fogão
  Da única : se melhorar estraga

E do mesão, ao lado da banca do Vitor, veio o alerta : o fogo vai apagar !



Atividade no abano
Antes que o fogo se apague
Antes que o fogo se apague
Na cinza fica o calor

Alguém ouvindo Gonzaguinha na festa lembrou que o Bloco tem a missão histórica de saudar Noel Rosa e urge que se faça outro boneco articulado pois a vida devia ser bem melhor e será. E é bonita.


Eu fico com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita
E é bonita

Eu só sei que confio na moça
E na moça eu ponho a força da fé
Somos nós que fazemos a vida
Como der, ou puder, ou quiser



 Então um Noel vindo do espaço sideral apareceu e disse esse será o rosto do boneco 2014. Sem silêncio o aplauso foi geral no samba de Vila Isabel para o Poeta da Vila.

Veio ao planeta com os auspícios de um cometa
Naquele ano da Revolta da Chibata
A sua vida foi de notas musicais
Seus lindos sambas animavam carnavais
Brincava em blocos com boêmios e mulatas
Subia morros sem preconceitos sociais


E os vovôs que com Noel conviveram nos bordéis se abraçaram e com Beto exclamaram:

- Que pica !


Com essa exclamação, Sheila atendeu ao Betinho pegou a faca e salsicha e serviu o molho que preparou,


Agora é hora de preparar o aniversário do Noel da festa de 13 de dezembro, confabulam Sônia Pardal, Alexãnia, Vera e Valéria.

Confabular é fazer fábula, assim falou Jacaré, e para animar a criançada presente na festa foi feita a encenação dos Saltimbancos, assim como ocorreu no casamento da Juliana, filha do coroné Antônio Bento.

Coroné Antonio Bento
No dia do casamento
Da sua filha Juliana
Ele não quis sanfoneiro
Foi pro Rio de Janeiro
Convidou Bené Nuno pra tocar
(Oh lêlê, Oh lálá)
Neste dia Bodacó
Faltou pouco pra virar
 


Agora é p'ra valer, na quarta à noite, na mesa de um bar da esquina, a amiga Sueli, que nada sabia, pegou um papel, rabiscou um boneco de Noel...

Ao ateliê fazer o Noel , essa é a ordem, assim falou Jacaré.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Almoço domingo, 16 de novembro, com Putanesca. Medusa e Gisele, a espiã nua que abalou Paris. Tudo a 20 reais na esquina do Jacaré


 Jacaré, curioso como ele só, foi ao dicionário ver o que significa putanesca e lá encontrou:

- Prostituta.


E macarrão à putanesca ?

- Foi um prato criado por Yvette la Francaise, servido no bordel italiano e ambos se perpetuaram nessa dança na casa D´Irene

A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai.



                                          At the Moulin de la Galette: 1889

Em se tratando de bafon, Jacaré telefonou para Touluse Lutrec a pergunta por essa tal Ivette, ouvindo La boème com Martinho da Vila

Boemia, boemia, lazer, amor e distração.
La boheme, la boheme, comer num dia e no outro não.
Dans les cafés voisins
nous étions quelques-uns
qui attendions la gloire
et bien que miséreux
avec le ventre creux
nous ne cessions d´y croire





O amigo francês disse ao Jacaré que podeira conhecê-la era Giselle, a espiã nua que abalou Paris que canta atualmente com Lize Minelli num cabaré

De que serve
Ficar sozinha no quarto?
Venha ouvir a música tocar
A vida é um cabaré, colega
Venha ao cabaré.
Esqueça a costura,
O livro ou a vassoura
É hora de se divertir
A vida é um cabaré, colega
Venha ao cabaré
Venha beber nosso vinho,
Ouvir a banda
Tocar corneta
Comece a festejar.
Por aqui,
sua mesa espera.



Finda a ronda Jacaré reanuncia:

- Vai ter miojo bem louca com putanesca 

Domingo às 13 horas


Quem não for...










quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Almoço de Jacaré na esquina, domingo 16 de novembro. Com nova especiaria - miojo da demônia ao molho de galo numa dialética emocionante


Jacaré é laico, abstrato e torcedor de todos os times brasileiros. Assim, em homenagem aos que torce pelo Atlético Mineiro na esquina, servirá um macarrão com galo.




Ei pessoal, vem moçada
Carnaval começa no Galo da Madrugada)

A manhã já vem surgindo,
O sol clareia a cidade com seus raios de cristal
E o Galo da madrugada, já está na rua, saudando o Carnaval
Ei pessoal...

E o galo trouxe uma novidade, bom mesmo é ser comido com miojo acomapanhado de demônia

Modo de Preparo
1 - Tempere o galo e deixe-o tomar gosto por 2 horas no mínimo.
2 - Leve ao fogo com óleo suficiente para dourar os pedaços do galo. Quando estiverem dourados, pingue água até ficarem macios.
3 - À parte, cozinhe o macarrão em água com um pouco de óleo.
4 - Escorra o excesso de gordura do galo já cozido, depeje o macarrão na mesma panela e deixe cozinhar mais um pouco até engrossar o caldo e tomar gosto.



E vejam, ao colocar miojo no prato, uma medusa aparecerá sexy, sexy vestida tigresa :

Uma tigresa de unhas negras e íris cor de mel 
Uma mulher, uma beleza que me aconteceu 
Esfregando a pele de ouro marrom 
Do seu corpo contra o meu 
Me falou que o mal é bom e o bem cruel 

Enquanto os pelos dessa deusa tremem ao vento ateu 
Ela me conta sem certeza tudo o que viveu 
Que gostava de política em mil novecentos e sessenta e seis 
E hoje dança no Frenetic Dancin' Days 

Ela me conta que era atriz e trabalhou no Hair 
Com alguns homens foi feliz com outros foi mulher 
Que tem muito ódio no coração, que tem dado muito amor 
E espalhado muito prazer e muita dor 

Mas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar 
Porque ela vai ser o que quis inventando um lugar 
Onde a gente e a natureza feliz, vivam sempre em comunhão 
E a tigresa possa mais do que o leão 

As garras da felina me marcaram o coração 
Mas as besteiras de menina que ela disse não 
E eu corri pra o violão num lamento 
E a manhã nasceu azul 
Como é bom poder tocar um instrumento

--------------------------------------------------------------------------------------------

E com essa deliciosa melodia da Tigresa, Jacaré saúda Manoel de Barros e Leandro Konder em outra dimensão

"... me elogiaram de imbecil fiquei emocionado, sou fraco para elogios"

ou como registrou a amiga Rosa Maria : palavras que me aceitam como sou - eu não aceito