quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Problemas com os camelos no sertão fazem Jacaré sobrestar o almoço árabe - não será mais no domingo 25 de janeiro.


Todas as epeciarias que viriam para a festa-almoço cairam nas areias do sertão cearense, por atentado, acidente ou gingado.

Vendo a dura cena, a Imperatriz Leopoldinense assim cantou:
                            
Balançou, não deu certo não
Pois não passou de ilusão
Eles trouxeram o balanço do deserto
Mas não é o gingado certo
Pra cruzar o nosso chão



Embalada pelo lindo samba, a Imperatriz assim dançou para alegrar o Jacaré:

Ecoam pelo ar
Estórias de tesouros escondidos
Sou poeta da canção
E embarco nesse sonho encantado
Vou com destino ao Ceará
Em busca de um novo Eldorado



Como o camelo tombou na areia, Jacaré entrou no barato e o samba seguiu no Canto de Areia

Não sei se é conto de areia
Ou se é fantasia
Que a luz da candeia alumia
Pra gente contar

Um dia morena enfeitada
De rosas e rendas
Abriu seu sorriso de moça
E pediu pra dançar

A noite emprestou as estrelas
Bordadas de prata
E as águas de Amaralina
Eram gotas de luar.

Calmamente, à espera de outras notícias, Jacaré abre um livro de Fernando Pessoa e recita intimamante

No baile em que dançam todos
Alguém fica sem dançar.
Melhor é não ir ao baile
Do que estar lá sem estar.



Cantigas de portugueses
São como barcos no mar —
Vão de uma alma para outra
Com riscos de naufragar.

A caixa que não tem tampa
Fica sempre destapada
Dá-me um sorriso dos teus
Porque não quero mais nada.

No baile em que dançam todos
Alguém fica sem dançar.
Melhor é não ir ao baile
Do que estar lá sem estar.


Vale a pena ser discreto?
Não sei bem se vale a pena.
O melhor é estar quieto
E ter a cara serena.


Tenho um relógio parado
Por onde sempre me guio.
O relógio é emprestado
E tem as horas a fio.


Aquela senhora velha
Que fala com tão bom modo
Parece ser uma abelha
Que nos diz: "Não incomodo".


Não digas mal de ninguém,
Que é de ti que dizes mal.
Quando dizes mal de alguém
Tudo no mundo é igual.


Quando vieste da festa,
Vinhas cansada e contente.
A minha pergunta é esta:
Foi da festa ou foi da gente?


Tenho uma pena que escreve
Aquilo que eu sempre sinta.
Se é mentira, escreve leve.
Se é verdade, não tem tinta.


Deixaste cair a liga
Porque não estava apertada...
Por muito que a gente diga
A gente nunca diz nada.


Não há verdade na vida
Que se não diga a mentir.
Há quem apresse a subida
Para descer a sorrir.


Santo Antônio de Lisboa
Era um grande pregador
Mas é por ser Santo Antônio
Que as moças lhe têm amor.


Tem um decote pequeno,
Um ar modesto e tranqüilo;
Mas vá-se lá descobrir
Coisa pior do que aquilo!


Aquela loura de preto
Com uma flor branca no peito,
É o retrato completo
De como alguém é perfeito.


No aguardo de novas notícias do comando geral

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Pratos árabes de Jacaré com mangueira - domingo agora, 25 de janeiro, na esquina às 14 horas - Foi a ordem que ele deu


Ala, la ô, ô, ô,  ô, ô

Jacaré acordou cantando assim e anunciando as delícias, todas feitas por mãos jacarenses.


E de 1941, veio Carlos Galhardo cantar para a chamada da água

Allah-la-ô, ô ô ô, ô ô ô ôMas que calor, ô ô ô, ô ô ô

Atravessamos o deserto do Sahara
O sol estava quente,
queimou a nossa cara

Viemos do Egito
E muitas vezes nós tivemos que rezar
Allah-Allah-Allah,
meu bom Allah
Mande água pra Ioiô
 Mande água pra Iaiá
Allah, meu bom Allah
 
Beth Carvalho, sabendo da festa fez questão de cantar Allah-la-ô também

  Mesa oásis  feita por Magrite para nossa festa - desde 1925


No almoço festa-canção será possível conhecer as iguarias e diferenciarias entre um Oásis e uma Vereda, essa por Graciliano Ramos.

Num oásis recita-se Rubayat

"Debaixo de um arbusto o pão e uma garrafa de vinho e meus poemas

Tudo que preciso

E tu, que do meu lado cantas um deserto e o deserto se torna então no paraíso"





- Se entrega, Corisco!
- Eu não me entrego, não!
Eu não sou passarinho
Pra viver lá na prisão
Não me entrego ao tenente
Não me entrego ao capitão
Eu me entrego só na morte
De parabelo na mão
(Mais forte são os poderes do povo!)

O sertão vai virar mar
E o mar vai virar sertão


Nosso almoço será também um oásis ou vereda, como queiram, pois teremos banho de mangueira. 

Foi a ordem que ele deu
e cumpriremos 


Venham todos !
Tragam seus camelos !

domingo, 18 de janeiro de 2015

Canto triste do Jacaré quando a nação perde mais um bamba : Paulo Valente. Nós vamos sair sem ele, foi a ordem que ele deu


Jacaré abre alas com a inspiração de alaúza e zum zum :

Oi! Zum, zum, zum,
Zum, zum, zum!
Está faltando um!


Bateu asas, foi embora,
Não apareceu.
Nós vamos sair sem ele,
Foi a ordem que ele deu.
Oi! Zum, zum, zum,
Zum, zum, zum!
Está faltando um!





Ele que era o porta-estandarte
E que fazia alaúza e zum-zum.
Hoje o bloco está mais triste sem ele
Está faltando um.

Beber da mesma Bhrama que a do Paulo foi sempre impossível como mostra a foto ao lado do Ivan e Sheila, e tem mais, dizem que esse samba foi feito p'ra ele:

O céu rasgou
Na noite que reluzia
Um show de estrelas
Brilhou nos olhos
De um novo dia
A poesia
Enfeitada de luar
Encantou o Estácio (ó paixão)
Paixão que arde sem parar



É mengo tengo
No meu quengo é só Flamengo
Uh! Tererê
Sou Flamengo até morrer
Seis jovens remadores
Fundam o grupo de regatas
Campeão o seu destino
É ganhar em terra e mar.
Fazendo sol
Pode queimar, pode chover
Vou ver Fla-Flu
Fla-Vas vou ver





                              Diamante negro, Fio Maravilha
                            Domingos da Guia, Zizinho, Pavão
                                       Gazela negra
                               Corre o tempo no olhar
                                Será que você lembra
                               Como eu lembro o mundial
                               Que o Zico foi buscar

Só amor
Na alegria e na dor
Parabéns dessa galera
Cem anos de primavera
Cobra coral
Papagaio vintém
Vesti rubro-negro
Não tem pra ninguém

Jacaré é curto nessa celebração para o jacarense Paulo Valente que organiza o Bloco agora em outro plano com Jair, Beto, Regina, Baco e Dona Dalva que mandam dizer :

- Nosso Bloco tá rua !

E na rua nosso hino é cantado:



 Não é o fim, é o recomeço



segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Monalisa e Abaporu são as mesmas pessoas como ficou provado pelo Jacaré, que também provou absinto e angostura com Baudelaire

Jacaré chega a 2015 completando xis anos de idade, sendo xis maior que um e menor que vinte.

Já teve fantasia de Chaplin, de Tarsila, de Leonardo Da Vinci, meio assim : Jacaré é a Mona Lisa, como cantou Elvis Presley:



Mona Lisa, Mona Lisa, man have named you
You're so like the lady with the mystic smile
Is it only 'cause you're lonely man have blamed you
For that Mona Lisa strangeness in your smile
Do you smile to tempt a lover Mona Lisa
Or is it your way to hide a broken heart

Aqui fica óbvio que Mona Lisa e Abaporu são as mesmas pessoas e somente Jacaré conseguiu essa científica conclusão pois se A igual a B e B igual a C, então A igual a C.



Na viagem pelo tempo, Jacaré juntou Baudelaire num drink com Absinto.


Aqui Jacaré pede licença para a íntegra, pois ele ama Baudelaire e muita gente sabe o porquê:

Hino à Beleza

Vens do abismo? Ou vens do fundo céu sublime?
Beleza, teu olhar divino e infernal
Verte confusamente a bondade e o crime,
E por seres assim o vinho é teu igual.

Teu olhar pôr-do-sol e aurora entrelaça;
Noite de tempestade, exalas frescor;
Teu beijo, um licor, a boca, uma taça,
Dão fraqueza ao herói e ao menino, valor.

Desces dos astros? Vens de uma negra morada?
O Destino fiel te segue como um cão;
Governas tudo, nunca respondes por nada,
Semeias ao acaso prazer e aflição.



De Satan ou de Dieu, qu’importe? Ange ou Sirène,
Qu’importe, si tu rends, – fée aux yeux de velours,
Rythme, parfum, lueur, ô mon unique reine! –
L’univers moins hideux et les instants moins lourds?


Beleza, o Horror é teu maior encanto,
Caminhas sobre mortos que te fazem rir;
O Homicídio, jóia que adoras tanto,
Dança sobre teu ventre altivo, a sorrir.

O efêmero voa para a tua vela,
Crepita, queima e diz: Obrigado, clarão!
O amante esbaforido sobre sua bela
Imita um moribundo a beijar o caixão.

Quer venhas do céu ou do inferno, que me importa,
Beleza, monstro enorme, ingênuo, sem lei,
Se teu riso, teu ar, teu pé, abrem a porta
Do Infinito que amo e jamais encontrei?

Som, perfume, luz, tu que para mim és tudo,
Anjo ou Sereia, cria de Deus ou Satã,
Que me importa se tornas, olhar de veludo,
O mundo menos feio, a vida menos vã?


Na escuta, Fátima Guedes assim cantou 

Eu bebo
Quando fico assim desesperada
Quem me dera ficar apaixonada
Pra encontrar o outro lado do moinho

Eu me embriago
Porque meu futuro é muito vago
Eu sinto a tua falta do meu lado
Eu bebo a tua ausência de carinho



Quando todos pensavam que Jacaré fosse entrar na fossa, uma Angostura o levou p'ro carnaval em Trinidad e Tobago


De Trinidad e Tobago parece que Jacaré seguiu o caminho maritmo para as Índias

sábado, 27 de dezembro de 2014

Jack Deniel's com Angostura, por una cabeza, termina em tango . Assim falou Jacaré com beijinho no ombro.


Jacaré manda um recado a quem com ele quiser bater de frente:

- beijinho no ombro p'ro recalque passar longe, assim cantou Valesca Popozuda com sua música filosófica

Beijinho no ombro pro recalque passar longe
Beijinho no ombro só pras invejosas de plantão
Beijinho no ombro só quem fecha com o bonde
Beijinho no ombro só quem tem disposição


Filósofa e orácula, pois previu um canto p'ra Aécim que  surtou quando bateu de frente e ...

Jacaré tem lido, nesse mês de dezembro, Henry Miller e Bukowski, e entrando no livros, provocou essa acidente com uma bela que se vê abaixo:


O acidente não foi por todo mau pois o Jack restante na garrafa propiciou uma dança de por una cabeça num salão de muitos passos

Por una cabeza
De un noble potrillo
Que justo en la raya
Afloja al llegar
Y que al regresar
Parece decir:
No olvidéis, hermano
Vos sabés, no hay que jugar




Por una cabeza
Todas las locuras
Su boca que besa
Borra la tristeza
Calma la amargura
Por una cabeza
Si ella me olvida
Qué importa perderme
Mil veces la vida
Para qué vivir
Parece que esse salão está plantado na esquina do Jacaré, tenham certeza.

Sparrow - Trinidad Tobago

Dizem também ser verdade que o drink com Jack tomado no carro amarelo tinha gotas de Angostura de Trinidad Tobago com um calypso muito do bom;

I discover a new philosophy
With to live with women happily
I have this new philosophy to
Live with women happily

Every now and the you have knock them dowm
They love you long and they love you strong
Black up they eye bruise up they knee
Then they will love you eternally



Por que Trinidad e Tobago ?

- Justo por que a su-jacarense Leila Sales mandou uma saudação para o Jacaré vinda de Cartagena e o calypso trinidanez lá rola geral :

"Arturo, o sapatero colombiano que consertou minhas sandálias, artur, mais jovem que era garçom na hora do almoço y el tintero de quem tomei o ultimo cafe ao amanhecer ,junto com as “semillas” de granadina que trouxe foram minhas riquezas maiores. É só isso que nos separa. No mais, somos todos latino-americanos e agora começamos a ter dinheiro no bolso e influência política também,"

A editoria do Jacaré já ia fechando essa edição quando Anita chegou e disse:



- Se Vanesca  invadiu esse espaço, eu também invado com as Poderosas

Prepara / Que agora / É a hora / Do show das poderosas / Que descem / Rebolam / Afrontam as fogosas / Só as que incomodam.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Amanhã é o dia da festa do aniversário de Noel Rosa - da lavagem da estátua à roda de samba para Wilson das Neves. E Ceci não é cachimbo, assim falou Jacaré

Sábado 
13 de dezembro
Cento e quatro anos de Noel
Lavagem musical da estátua às 17 horas
com água de cheiro seguida da
Caminhada pelas calçadas musicais da Vila
Roda de samba choro a partir da 19 horas
Abaeté com Torres Homem 


Noel Rosa, convidou Wilson das Neves para confirmarem se Marcos Sacramento estava azarando Ceci, a Dama do Cabaré, oiçam:

Foi num cabaret na Lapa
Que eu conheci você
Fumando cigarro, entornando champanhe no seu soirée
Dançamos um samba, trocamos um tango por uma palestra
Só saimos de lá meia hora depois de descer a orquestra
Em frente à porta um bom carro nos esperava
Mas você se despediu e foi pra casa a pé

 Di Cavalcanti também estava lá

No outro dia lá nos Arcos eu andava
À procura da dama do cabaré
Eu não sei bem se chorei no momento em que lia
A carta que eu recebi (não me lembro de quem)
Você nela me dizia
Que quem é da boemia
Usa e abusa da diplomacia
mas não gosta de ninguém.

Não encontraram Ceci e vendo um quadro de Magrite na parede, desde o Jacaré de 2011, perguntaram a Noel se ele estava enamorado de um cahimbo.


Não, minha Ceci não é um cahimbo, ela é assim o Amor da minha vida como cantou Wilson das Neves.

Tu és o sol que faz brilhar meu bem,
Cada manhã da minha vida
Tua presença é que me da motivação
Pra prossegui na vida
O teu olhar é que mantém a minha chama
Sempre acesa
...
Tu és o bem mais importante que eu ganhei
A firme e não vacilo
Sem ter de noite um beijo teu,
Eu já não durmo tão tranquilo



Como a festa vem chegando, Noel, depois de consultar Chico Buarque, resolveu fazer um brinde com Wilson Batista e Wilson Moreira



Louco, pelas ruas ele andava

O coitado chorava
Transformou-se até num vagabundo
Louco, para ele a vida não valia nada
Para ele a mulher amada 
Era seu mundo 









Eu vou me imbora, pra Minas Gerais agora.


Eu vou pela estrada a fora, tocando meu candongueiro, oi.

Eu sou de Angola, bisneto de quilombola

Não tive e não tenho escola, mas tenho meu candongueiro.

No cativeiro, quando estava capiongo, meu avô cantava jongo, pra

poder segurar, oi.

A escravaria quando ouvia o candongueiro,
Vinha logo pro terreiro, para saracotear



 Meu candongueiro, bate jongo dia e noite.
Só não bate quando o açoite quer mandar ele bater, oi
Também não bate, quando seu dinheiro manda, isto aqui não é
quitanda pra pagar e receber.
Meu candongueiro tem mania de demanda.
Quem não é da minha banda, pode logo debandar, oi.
Pra vir comigo tem que ser bom companheiro, ser sincero e
verdadeiro, pra poder me acompanhar


Jacaré registra aqui um doce recado recebido :

"Tem coisa que a gente gosta mas não pode amar, tem coisa que a gente ama e não pode ter. Assim estou, vou pra Cartagena de Índias feliz, mas com o coração pequenino, querendo ficar na aldeia para ouvir Wilson das Neves. Leila Sales"

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Jacaré flaneur, romântico, político pois gosta de Bertold, canta com Nara e Zé Keti para chamar Wilson das Neves e saudar Noel Rosa


Jacaré flaneur, romântico, político pois gosta de Bertold, canta com Nara e Zé Keti para chamar Wilson das  Neves e saudar Noel Rosa

Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí
Levando o violão debaixo do braço
Em qualquer esquina eu paro
Em qualquer botequim eu entro
Se houver motivo
É mais um samba que eu faço



Se quiserem saber se eu volto
Diga que sim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim
Tenho um violão para me acompanhar
Tenho muitos amigos, eu sou popular
Tenho a madrugada como companheira
A saudade me doi, o meu peito me roi
Eu estou na cidade, eu estou na favela


Eu estou por aí
Sempre pensando nela



Mais ainda, Jacaré juntou  Bach, Shakespeare e Procol Harum numa festa de anti computador sentimental :

We skipped the light fandango
Turned cartwheels 'cross the floor
I was feeling kinda seasick
But the crowd called out for more
The room was humming harder
As the ceiling flew away
When we called out for another drink
The waiter brought a tray



Jacaré, dessa época pré tropicália, com um copo de wisky JB  ao ouvir notas de Bach, foi na vitrola e de lá nos trouxe, Lalo Shifrin em Blues para Johann Sebastian Bach.


A ópera é no Municipal e perto do Municipal tem a Lapa e na Lapa tem Cabaré e no Cabaré, Noel Rosa,vejam com Paulinho da Viola:

Pra que mentir se tu ainda não tens
Esse dom de saber iludir?
Pra quê?! Pra que mentir
Se não há necessidade de me trair?
Pra que mentir, se tu ainda não tens
A malícia de toda mulher?
Pra que mentir
se eu sei que gostas de outro
Que te diz que não te quer?
Pra que mentir
Tanto assim
Se tu sabes que eu sei
Que tu não gostas de mim?!
Se tu sabes que eu te quero
Apesar de ser traído
Pelo teu ódio sincero
Ou por teu amor fingido?!

 é e assim será a festa de 13 de dezembro, assim falou Jacaré



Sábado 
13 de dezembro
Cento e quatro anos de Noel
Lavagem musical da estátua às 17 horas
com água de cheiro seguida da
Caminhada pelas calçadas musicais da Vila
Roda de samba choro a partir da 19 horas
Abaeté com Torres Homem com a presença do homenageado de 2015

Wilson das Neves